TRILHA SONORA

sábado, 10 de maio de 2014

SOBRE MÃE




Fecho os olhos toda hora
E lembro da minha infância
Hoje dou mais importância
Essas lembranças de outrora
Sai pelo mundo à fora
A procura do apogeu
E hoje percebi que eu
Perdi tempo com a vaidade
Sinto remorso e Saudade
Das surras que Mãe me deu.

O que foi dado de graça
Nunca fui de agradecer
Precisou ela morrer
Pra eu retirar a mordaça
Não há fogo sem fumaça
Não há escuro sem breu
Hoje vejo o que sofreu
O meu anjo de bondade
Sinto remorso e Saudade
Das surras que Mãe me deu.

Reclamar foi minha sina
Maldizer do que não tinha
Mas a Mãe é adivinha
Quando diz que o mundo ensina
Só que as vezes a botina
Só aperta quem cedeu
E esse calo doeu
Com as marcas da idade
Sinto remorso e saudade
Das surras que Mãe me deu.

Mamãe anjo que velou
As minhas noites de sono
Eu deixei no abandono
Dei de ombros quem me amou
Quantas vezes ela rogou
Apenas um beijo meu
Mas eu recusei o seu
Carinho de autoridade
Sinto remorso e saudade
Das surras que Mãe me deu.

As marcas do cinturão
Nunca perduraram tanto
Quanto as marcas do meu pranto
Transformado em solidão
Hoje o meu coração
Já deixou de ser ateu
Mas o tempo não atendeu
Desfez a prioridade
Sinto remorso e saudade
Das surras que Mãe me deu.

(Helena Cardoso)