TRILHA SONORA

segunda-feira, 11 de abril de 2011

ZEZINHO


“A poesia faz parte da minha vida,
não posso me imaginar sem o ofício do fazer poético.
Eu não procuro os poemas,
eles batem na minha porta, querendo vir à tona”
(Zé Laurentino em entrevista à UEPB - 2010)

O conheci há quase três anos, quando ainda não era declamadora, apenas admiradora da profissão. Foi através da amiga Vanuza e do Poeta Alfrânio que tive a honra de ser apresentada a "Zezinho".

Na época eu estava com uma grande "dor de cotovelo" por um romance semi-acabado e Zé me disse que o Amor verdadeiro poderia ir além das nomenclaturas postas pelos mortais e que esse não seria o primeiro nem o último, mas que poderia ser único se verdadeiro - não era! Mas, deixemos de lado meus amores... Falemos do grande Poeta.

Naquele fim de ano, meu Professor de Literatura - Edson Tavares, havia nos proposto um seminário sobre Luís Vaz de Camões e os Lusíadas.

Após minha apresentação ele disse em alto e bom tom: "Procure fazer um curso de declamação, porque você declama muito ruim!" - aquilo me martelou a cabeça por muitos dias...

Até que Vanuza e Alfa me levaram a conhecer o Clube do Repente - naquela noite, foi Zé Laurentino quem declamou - Soneto do Amor Platônico... Meu poema de vida!

Depois sentou-se à mesa conosco e me falou todas aquelas coisas sobre Amor, por ter-me visto tão triste e desolada.

Talvez, desse filme ele não lembre. Mas, foi a partir dai que comecei a me apaixonar por poesia popular e logo depois, fui lançada ao desafio de "aprender a declamar".

Devo muito da minha descoberta a este poeta, porque sempre fui sua admiradora e ele nunca deixou de me apoiar como uma "verdadeira profissional", uma amiga...

Já tive a honra de dividir o palco, algumas vezes, noutras de emocioná-lo: quando, por exemplo, declamei o poema "As flô de Puxinanã - de Zé da Luz", poema no qual foi um dos primeiros que iniciou sua carreira - e depois, quando declamamos juntos na casa do cantador "Soneto de Amor Platônico" e relembrei ao seu lado, meu início.

Ele sempre foi meu ponto de Referência dentro do mundo popular - o admiro muito pelo homem, pelo batalhador da vida, pelo boêmio e pelo grande apaixonado que foi e que é.

Parabéns, MESTRE! Por mais um ano de vida.

Ave, Zezinho!!!


2 comentários:

  1. É isso mesmo, Helena!
    Só um poeta consegue vislumbrar a aura colorida que emana de seres da magnitude Zezinho. Eu nunca ousei decantá-lo... Nunca tive inspiração para tanto! Este ícone precisa ser documentado em páginas do tamanho da sua altivez, para mais tarde ser lembrado quando folhearmos o mais íntimo e mais sublime do nosso relicário.
    Parabéns pelo escrito. Brilhante!

    Alfrânio.

    ResponderExcluir
  2. É como diz Iponax Vila Nova: Zé Laurentino é folclore da cidade de Campina!

    Zezinho é um ícone mundial de inteligência - o admiro muito e tenho um carinho do tamanho de Puxinanã por ele. kkkkk

    Salve ó grande Mestre - Zé Laurentino!!!

    Brigada, Alfa, nunca vou esquecer de agradecê-lo, por ter-me apresentado a este mundo tão maravilhoso que é o da poesia - no qual hoje me deleito.

    Valeu pela participação. Cheiro poético.

    ResponderExcluir

DÊ SEU PITACO: